Home

 

 lampada-acessa-7b4af

 

Quero trazer a poesia para a rua

Vê-la descalça a pisar

A terra e as pedras

Sem medo de assumir

A sujidade dos dias/

Quero poemas com cheiro e ruído

Que nos acompanhem pela casa

Sem pejo de ir à casa de banho

Quando é preciso/

Quero as palavras fumegantes

Directamente recebidas dos tachos e das panelas

Ao lume

Com sons de óleo a crepitar na frigideira

E do molho que o esquecimento

Já queimou/

Quero as letras desossadas e indecisas

A agruparem-se umas com as outras

Num acaso feito de desperdício

No balde do lixo/

Quero servi-las à mesa do desconforto

Do fim do dia

E regar-lhes o cansaço

Com bom vinho/

Quero acariciá-las, já desfeitas

Na cinza do cinzeiro

E depois, levá-las para a cama do desejo

E transformá-las em almofadas fofas de sonhos/

E quando acordar de noite

Sobressaltada pelos pesadelos

Quero que elas me abracem

E me renovem

O sentir da realidade/

E quando o meu dia de partida

Chegar

Amortalhem-me com folhas de dicionário

E abecedários lúdicos, desses que se compram

Para as crianças

Quero continuar a brincar com as palavras

No jardim do Além

E, talvez, eu até convença Deus

A tornar-se um poeta

Ana Wiesenberger* (in Dias Incompletos)

 

 

*Biografia:

Ana Wiesenberger, de nome completo, Ana Cristina Estrela da Silva Franco Dias Wiesenberger, nasceu em Lisboa em 1962 onde viveu até aos 10 anos, tendo residido desde então em Setúbal. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, variante Inglês/Alemão pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa na década de oitenta, tendo posteriormente feito um Pós -Graduação em Estudos Americanos na Universidade Aberta. Lecionou durante mais de vinte anos no Ensino Básico e Secundário em várias escolas na cidade de Setúbal e no Pinhal Novo, estando actualmente reformada por invalidez. Escreveu desde sempre, sendo que as primeiras histórias e textos poéticos surgiram por volta dos onze anos. Planeara sempre dedicar-se à escrita depois da aposentação, porém, nunca perspectivara que a situação acontecesse tão precocemente devido ao aparecimento de uma doença grave. Publicou em 2011 o primeiro livro de poesia, intitulado, Dias Incompletos pela Temas Originais, participou no mesmo ano numa Antologia de Poesia, Poiseis XX pela Minerva com quatro poemas e em 2012, na Feira do Livro de Lisboa foi lançado o seu segundo livro de poesia, Idades pela chancela da Esfera do Caos. Participou ainda numa Antologia de Poesia brasileira, Liberdade, com dois poemas também em 2012. Em 2013 participou na Antologia de Poesia Erótica,Erotismus, Impulsos e Apelos pela Esfera do Caos. Na sua escrita há um registo poético intimista a par e passo de outros poemas mais direccionados para o exterior, nomeadamente na presença forte da natureza enquanto envolvência e partilha. Há ainda uma outra vertente, a poesia dita de intervenção, suscitada pelas vivências de um quotidiano consciente da realidade socioeconómica e política do seu país.

A ambição da autora é que a sua poesia chegue ao homem comum, que não seja apenas abrangida por elites intelectuais, daí a procura constante da língua enquanto veículo acessível à mensagem clara e não fechada e excessivamente cifrada. O poema mais emblemática da estética pretendida é o que dá o nome ao seu blogue, Quero Trazer A Poesia Para A Rua.

Contactos: Ana.wiesenberger@gmail.com

Facebook: Ana Wiesenberger

Telemóvel: 914802344

Blogue: querotrazerapoesiaparaarua.blogs.sapo.pt

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s