Home

Poemas por Básia Lucena

Eu vim

Vim do vento
E com a natureza
Eu me contento
Vim de Saturno
Do planeta dos homens
Que pensam não andar
Também em Marte
Vim do absurdo
Mas não vivo
O dito cujo
Vim do triângulo
Da simetria indefinida
Vim da vontade
De não ser transparente
Vim, eu vim
Eu vim de alguma frase
De um poema
Da poesia de dois corpos
Quentes
Vim do meu consolo
Do meu choro
Do meu riso
Da satisfação de me registrar como alguém
Mas agora
Eu vou, porque já vim, e já sou.

Poeminha escorrido

Quando eu falar
Você vai me escutar
Quando eu falar
Você vai me entender
Quando eu falar
Eu quero te dizer
Eu sei que você
Não vai se encolher
Vai me entender
Vai me ajudar
Quando eu falar
Eu quero amanhecer
Depois de entender
Que não existo sem ser
Mas quando eu cantar
Eu vou querer dizer
Alguma coisa que não será só por dizer
Mas quando eu andar
Eu vou me guiar
Vou poder seguir os passos e os reflexos de um ser
Mas quando eu gritar
Não vou me estressar
Pois diante do ruir
Libertarei todo o meu ser
Quando eu pular
Vou descobrir que não sei
Não sei nadar
Por isso não me atrevo a mergulhar
No mar

panjin-red-beach-china-9-640x426
Vermelho

Vermelho.
Vermelho-rosa.
Vermelho-sangue.
Vermelho-vida.
Vermelho-morte.
Meio-vermelho.
Vermelho-terra.
Vermelho-den’d’água.
Vermelho-goiaba.
Vermelho-canção.
Vermelho-independência.
Vermelho-Anita Garibaldi.
Vermelho-anarquista.
Vermelho-negro.
Vermelho-anti-futebolístico.
Vermelho-batom.
Vermelho-riso.
Vermelho-progresso.
Vermelho-anti-Estados(des)Unidos.
Vermelho-vinho.
Vermelho-progresso.
Vermelho-estrondo.
Vermelho-bem-me-quer.
Vermelho-dança.
Vermelho-euforia.
Vermelho-rosa.
Vermelho-choque.
Vermelho-uva.
Vermelho-molho.
Vermelho-fechado.
Vermelho-dedo.
Vermelho-assento.
Vermelho-unificado.
Vermelho-cor.
Vermelho-telha.
Vermelho-tijolo.
Vermelho-força.
Vermelho-comando.
Vermelho-masculino.
Vermelho-cai bem.
Vermelho-realce.
Vermelho-laço.
Vermelho-confeite.
Vermelho-linha.
Vermelho-dentro.
Vermelho-liberdade.
Vermelho-voz ativa.
Vermelho-sagrado.
Vermelho-fácil.
Vermelho-ferrugem.
Vermelho-lata.
Vermelho-nada.
Vermelho-pronúncia.
Vermelho-Itália.
Vermelho-história.
Vermelho-gramática.
Vermelho-escalda.
Vermelho-calor.
Vermelho-sol.
Vermelho-escorre.
Vermelho-lava.
Vermelho-molha.
Vermelho-água.
Vermelho-tinta.
Vermelho-antes.
Vermelho-anti.
Vermelho-calda.
Vermelho-Índia.
Vermelho-racional.
Vermelho-multicolor.
Vermelho-estação.
Vermelho-posição.
Vermelho-latim.
Vermelho-antigo.
Vermelho-aspirador.
Vermelho-Bonapartismo.
Vermelho-Nietzschiano.
Vermelho-igualdade.
Vermelho-rumo.
Vermelho-extenso.
Vermelho-resultado.
Vermelho-importância.
Vermelho-nome.
Vermelho-canção.
Vermelho-escrita.
Vermelho-reparação.
Vermelho-coração.
Vermelho-ilusão.
Vermelho-filho.
Vermelho-aptidão.
Vermelho?
Quero não.
Forte demais para minha solidão.
Perto demais do meu ribeiro coração.
****
A Revista Philipeia selecionará e publicará,1 vez por semestre,
poemas de autores independentes, sem livros publicados. 
Recebemos de 01 a 03 poemas por autor.
Basta enviar o material para revistaphilipeia@gmail.com.
 
Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s