Home

 

 

wenio-pinheiro-003-da-serie-vacuo

 

Jaldes Reis de Meneses*

Parte I

O ESPÍRITO DE 1964

Toda história da cultura é também uma história da barbárie.

Walter Benjamin

Como abordar o golpe militar de 31 de março (ou primeiro de abril) de 1964, 52 anos passados e neste Brasil em transe assombrado com o retorno truculento dos recalques que pareciam esquecidos na lata de lixo da história? Para tanto, requisita adentrar às camadas profundas dos círculos de um inferno dantesco.

Em sua bela biografia de Napoleão, publicada logo após o fim da Restauração francesa (a sequência de 15 anos de último retorno da dinastia dos Bourbons, na qual ficou evidente a quimera do projeto conservador de retorno do antigo regime), Stendhal faz uma observação decisiva para quem pretenda escrever a história de seu próprio tempo: o escriba vai se meter em exumar os companheiros de geração, as promessas que se dissiparam e os fracassos que ficaram feito cicatrizes, mas principalmente as viragens. O romancista anota que os homens que foram no passado os antigos radicais jacobinos são os mesmos moderados que conduziam naqueles dias os negócios de Estado. Arguto, Stendhal percebe um remoto sentimento de cumplicidade, de que mesmo ele mesmo participa .

No sentido stendhaliano, a geração que resistiu ao golpe de 1964, por um tempo foi indiscutivelmente vitoriosa. A própria presidente Dilma Rousseff, em vias de ser “impichada” ou resistir, foi uma das que participaram do esforço de resistência armada à ditadura, dessa maneira servindo como exemplo – provisório que seja – do êxito. As gerações se apaziguam e confraternizam, alçadas à condição de elites. Mas chega o dia de os fantasmas não assimilados mas dissimulados efetuarem a passagem de sintoma a catarse.

No entanto, parafraseando um livro conhecido (organizado por Edson Telles e Vladimir Safatle, cuja leitura recomendo), deve-se fazer uma pergunta pertinente, mas incômoda: alguma coisa restou da ditadura? Por qual razão desatinada parece que práticas soterradas do passado estão voltando? Tal indagação só pode ser respondida se virarmos pelo avesso o senso comum, se formos às zonas de sombra, enfim, se ousarmos encarar, olho no olho, a tragédia. Não é fácil. Quando ocorre o trauma, a reação espontânea é, de imediato, ativar as defesas do esquecimento.

Penso no Pato amarelo da FIESP que pretende nos fazer de trouxas. O espírito de 1964 continua vivíssimo. Posso chocar e surpreender o coro dos contentes (como se dizia naquela época), mas o “espírito” de 1964 habita onde menos se espera: por exemplo, nas promessas de progresso e desenvolvimento do ornitorrinco brasileiro (a remissão ao mamífero aquático que Chico de Oliveira encontrou para definira nosso capitalismo anômalo).

Somente operando com esta chave analítica de longa duração pode-se compreender a revolta das favelas brasileiras, o Estado de Exceção permanente na aplicação do direito na periferia, cujo mundanismo agora passou das margens para o centro nas tentativas em curso de criminalizar os movimentos sociais e a esquerda do espectro política. À primeira visada, pode parece que forço liames entre rios distantes. Ledo engano. Tudo junto, na estrutura e superestrutura, resulta neste bicho solto e escroto que atende pelo nome de Brasil.

 Não vou falar do conhecido sobre 1964. Neste ínterim, deixem-me selecionar um enfoque micro. Quem estudou a fundo a saga das grandes obras de infraestrutura dos tempos da ditadura, sabe à custa de quanto suor e sangue elas foram erguidas e de como o lamento de suas vítimas foi soterrado, tanto nos porões da tortura como nos canteiros de obras. Conhece — para ficar num único exemplo — o trauma da morte de centenas de operários na queda das vigas do pavimento inferior do Centro Administrativo da Gameleira (Belo Horizonte, 1971), fato proibido de ser noticiado, assim como a guerrilha do Araguaia também estava sob o fogo cerrado da censura. (A propósito, a chamada “tragédia da Gameleira” rendeu uma extraordinária tese de doutorado do professor mineiro Antonio Libério Borba, na Unicamp.)

Evidentemente, como mostra Vladimir Carvalho, no documentário Conterrâneos velhos de guerra (1980), sobre a construção de Brasília no governo JK, as tendências compulsivas do progresso na modernidade (encontramo-las como transfiguração estética já no Fausto de Goethe, 1801) vinham de muito antes e, contudo, foram exponenciadas, viraram dispositivo técnico (para usar o precioso termo de Heidegger e Foucault) intrínseco ao regime militar brasileiro.

De maneira trágica, nas sombras invisíveis do contrato social da democracia, movem-se as mesmas diretrizes das grandes obras dos tempos da ditadura: a tendência à super exploração do trabalho nas regiões de vanguarda do desenvolvimento. Apesar do inequívoco processo de afluência social do lulismo, hoje repudiado pela maioria das elites econômicas e políticas do Brasil, continua-se a viver e morrer à mingua, embora se possa ter acesso à televisão, o celular e a internet. Essa elite, em suas manifestações bizarras de 2016, reincorpora o pior do “espírito” de 1964. Mostra-se incapaz de formular um projeto republicano de Brasil, incapaz de verdadeiramente olhar para os de baixo, de encarar o desafio de eliminar a pobreza extrema como condição civilizatória de realização da luta de classes como via de alcançar a cidadania plena. Afinal, há luta de classes no reino da Dinamarca, mas lá inexiste a acintosa desigualdade brasileira.

Gostaria de encerrar este artigo com uma mensagem cifrada. Há muita crítica estritamente política aos tempos da ditadura, e toda ela é bem-vinda. Mas devemos advertir que o “espírito” da ditadura só voltará recolhido à caixa de Pandora de onde saiu recentemente caso logremos ultrapassar o umbral da epiderme política e consigamos vencer a cegueira de olhos abertos que a irrealidade cotidiana brasileira impede de enxergar.

Parte II

MAIS VALE O QUE SERÁ

Teses para aprofundamento:

1) Estão se encerrando dois ciclos históricos combinados, o da constituição de 1988, bem como o “ganha-ganha” policlassista do lulismo originário, possibilitado pela lealdade de todas as forças políticas – mesmo as de oposição – ao terreno comum da atual constituição, não por acaso muito conhecida como “cidadã”. É preciso nos prepararmos para o florescimento de um novo período histórico, certamente mais radicalizado e de deslealdade à letra do pacto da lei;

2) É importantíssimo defender e entender o legado contraditório dos governos de Lula e Dilma. Contudo, a nova agregação potencial das massas virá mais, de imediato, de um programa de combate concreto às reformas da previdência, trabalhista e do Estado, entre outras do governo Temer, em intrínseca combinação com a defesa intransigente da democracia contra os retrocessos. Mais vale o que será. Caio Prado Jr., em “A revolução Brasileira”, defendeu um programa de reivindicações imediatas e concretas contra o regime militar. Talvez seja o caso de aprender (sem repetir, por defasadas, as reivindicações de outra época) com os elementos vivos desta metodologia;

3) Fundamental pesquisar a “natureza” do golpe como forma política repleta de novidades anatômicas e fisionômicas, fazendo, ao mesmo tempo, um esforço de não se ater apenas às analogias históricas do passado, sem dúvida muito importantes, ainda mais em um país que lida com dificuldades com a própria memória. A forma de um golpe “líquido” por dentro da “normalidade” institucional do sistema político, de violência dispersa em vez de concentrada, indireta em vez de direta, que não liquida a sociedade política ex ante e age molecularmente na sociedade civil, trata-se de uma complexa novidade a ser objeto de estudos sistemáticos. Não foi bem assim em Honduras ou no Paraguai. Cabeça também serve para pensar e não só para usar chapéu. Ambos os usos podem ser excelentes.

Imagem: Série “Vácuo”, por Wênio Pinheiro Araújo (1N1)

* Professor do departamento de Serviço Social da Universidade Federal da Paraíba.

|

Revista Philipeia

CRÍTICA + INFORMAÇÃO + ARTE

|

ISSN: 2318-3101

|

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s